RUGENDAS. (Johann Moritz) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

     
English   
 
   

Clique nas imagens para aumentar.



ALBUM FOTOGRAFIAS MOÇAMBIQUE - MOCIDADE PORTUGUESA, COMEMORAÇÃO DO DIA 1º DE DEZEMBRO DE 1973 EM LOURENÇO MARQUES.

De 33,6x28,8 cm. Com 11 folhas seguras por argolas metálicas douradas. Álbum em percalina com ferros a ouro na pasta anterior a formar esquadria, com as armas da MP no centro e o título por baixo. 

A primeira folha em papel branco, tem colado um convite para as cerimónias registadas nas fotografias, com o respectivo programa de eventos que decorreram no dia 25 de Novembro e nos dias 30 de Novembro, 1 e 2 de Dezembro. 

As restantes 10 folhas de cartolina grossa com protecção em plástico contêm 26 fotografias a preto e branco, sendo 12 no formato de 18x23,8 cm., 2 no formato de 12x17,8 cm. e 12 no formato de 12x17,8 cm. Estão coladas nas folhas por uma ordem que não segue a dos eventos que integraram as comemorações.   

As fotografias documentam os seguintes eventos: no dia 30, Prova de corta-mato junto ao aterro da Maxaquene (fotografias 12, 13 e 14) Guarda de honra ao Monumento a Mouzinho de Albuquerque, vendo-se a bandeira da MP (fotografias 1, 10 e 22) e o Sarau Cultural na Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição (fotografias 19, 20 e 21). 

No dia 1 de Dezembro: Missa Campal (foto 11), Desfile em direcção ao Governo-Geral e depois até à Câmara Municipal (foto 18 e 25); Apresentação de cumprimentos ao Governador-Geral, Engenheiro Manuel Pimentel dos Santos e à sua mulher Maria Fernanda Pimentel dos Santos (fotografias 2 a 9) em que as fotografias 3, 5 e 6 mostram aspectos do conjunto dos filiados e filiadas na MP, as fotografias 4 e 9 documentam o momento da entrega de um ramo de flores a Maria Fernanda Pimentel dos Santos, a fotografia 7 mostra o Governador-Geral no uso da palavra e as fotografias 2 e 8 documentam o Governador-Geral e a sua mulher a falar com pessoas presentes e com uma filiada da MPF.        

Ainda no mesmo dia: diversas actividades no Acampamento do Parque José Cabral: montagem de tendas, cuidados de enfermagem, o terno de clarins e tambores (fotografias 15 a 17) e cerimónia do acender da Chama da Mocidade no referido Acampamento (fotografias 23, 24 e 26).

Documento raro não referido nas fontes disponíveis e muito importante para o estudo do período final da administração portuguesa de Moçambique, das relações sociais e de raça na época, e para o estudo das organizações de juventude do Estado Novo.    

A Mocidade Portuguesa foi criada pelo Decreto-Lei n.º 26 611, de 19 de Maio de 1936, em cumprimento do disposto na Base XI da Lei n.º 1941, de 19 de Abril de 1936. Devia abranger toda a juventude, escolar ou não, e destinava-se a «estimular o desenvolvimento integral da sua capacidade física, a formação do carácter e a devoção à Pátria, no sentimento da ordem, no gosto da disciplina e no culto do dever militar.». 

As presentes comemorações foram efectuadas de acordo com o previsto no regulamento da MP, aprovado em 4 de Dezembro de 1936, pelo Decreto n.º 27 301 e no regulamento da Mocidade Portuguesa Feminina aprovado pelo Decreto-Lei n.º 28 262, de 8 de dezembro de 1937, que determinavam - «A MP adopta o dia Primeiro de Dezembro como data das suas comemorações próprias».  

Pelo Decreto n.º 29 453, de 17 de Fevereiro de 1939, a Organização foi alargada «à mocidade portuguesa das colónias, de origem europeia, e à juventude indígena assimilada». A Mocidade Portuguesa Feminina só se estendeu a Moçambique em 1960, conforme as disposições do Decreto-Lei n.º 43271 de 26 de Outubro de 1960. A Mocidade Portuguesa da Província de Moçambique contava em 1951 com 26 centros e mais de dez mil filiados.       

Manuel Pimentel Pereira dos Santos (Porto 1919 - 2006). Licenciado em engenharia civil foi um alto funcionário público, administrador de empresas e Procurador à Câmara Corporativa por designação do Conselho Corporativo, entre 1965 e 1973. Desenvolveu grande parte da sua actividade profissional em Moçambique começando por ser Engenheiro dos Serviços de Obras Públicas e Transportes daquela colónia onde exerceu muitas outras funções assim como em Angola onde foi Secretário Provincial de Obras Públicas e Comunicações e Presidente do Conselho de Administração da Companhia Mineira do Lobito.

A sua carreira no Ministério do Ultramar culminou com o exercício das funções de Inspector Superior e Director-Geral de Obras Públicas do Ultramar e quando desempenhava esses relevantes cargos foi nomeado pelo Ministro do Ultramar, Silva Cunha, para Governador-Geral de Moçambique tendo tomado posse em 19 de Novembro de 1971. Desempenhou estas funções até 26 de Abril de 1974.     

Referência: 2105PG006
Local: I-112-A-12


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
Multibanco PayPal MasterCard Visa American Express

Serviços

AVALIAÇÕES E COMPRA

ORGANIZAÇÃO DE ARQUIVOS

PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

free counters