RUGENDAS. (Johann Moritz) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

     
 
   

Clique nas imagens para aumentar.



IBN-BATUTA. VIAGENS EXTENSAS E DILATADAS DO CELEBRE ARABE ABU-ABDALLAH,

MAIS CONHECIDO PELO NOME DE BEN-BATUTA. TRADUZIDAS POR JOSÉ DE SANTO ANTONIO MOURA, Ex-Geral da extincta Congregação da Terceira Ordem de S. Francisco, Lente Jubilado, e Interprete Regio da Lingua Arabica, Official da Secretaria de Estado dos Negocios Estrangeiros, e Socio da Academia Real das Sciencias de Lisboa. TOMO I. [TOMO II.]. LISBOA NA TYPOGRAFIA DA ACADEMIA. 1840 e 1855.

2 Volumes de 20,7x16 cm. Com [iv], vii, [i], 533, [v]; [iv], viii, 446 págs.

Encadernações da época com a lombada em pele com ferros a ouro.

Obra muito importante com a tradução rigorosa, realizada por um dos grandes especialistas portugueses da língua e cultura árabes, dos pormenorizados relatos das viagens realizadas por Ibn Batuta, que contêm grande número de informações sobre geografia, etnografia e antropologia das mais diversas regiões do mundo, muitas delas ainda hoje pouco conhecidas.

Segundo afirma o tradutor, Ibn-Batuta distinguiu-se “já pela vasta e quase incrível extensão das suas viagens, e pela constância em prossegui-las por espaço de trinta de anos, já pelas muitas, e importantes particularidades, de que nos dá notícia, e em que não poucas vezes mostra um espírito observador, crítico e judicioso”.

Xemece Adim Abu Abdalá Maomé ibn Maomé ibn Ibraim Aluati Atanji (Tânger, 1304 - Fez 1377) depois de ter recebido uma sólida instrução, partiu, em 1325, para Meca e nos trinta anos seguintes, até 1356, percorreu mais de 125 mil quilómetros, visitando vastas regiões até á Índia, China, África Central. O geógrafo Malteburn afirma que Ibn Batuta não era um desses homens superficiais, que por vã curiosidade se dão à vida vagabunda. Era dotado de profunda instrução e mereceu a estima de todos os povos por ele visitados e chegou a desempenhar as funções de Cady (Governador) no Dely e nas Maldivas.

Fr. José de Santo António Moura (Almodôvar, ca. 1770 – Lisboa, 1840) franciscano da Congregação da Terceira Ordem, da qual foi Ministro geral, Professor e Interprete régio da língua arábica, Oficial da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros, Sócio da Academia Real das Ciências de Lisboa. É autor das seguintes obras: Historia dos Soberanos mohametanos das primeiras quatro dynastias, e de parte da quinta, que reinaram na Mauritania, escripta em arabe por Abu-Mohammed Assaleh, natural de Granada, e traduzida e annotada em portuguez. Publicada por ordem da Academia Real das Sciencias. Lisboa, na Typ. da mesma Academia 1828; vários estudos publicados nas Memórias da Academia das Ciências e as extensas adições e anotações na 2ª edição de 1830 da obra de Fr. João de Sousa Vestigios da Lingua arabiga em Portugal.

Inocêncio IV, 241.

 Dim.: 2 volumes (20.7x16 cm) with [iv], vii, [i], 533, [v]; [iv], viii, 446 pp.

Binding: Contemporary ¼ calf with gilt tools on spine.

A very important work accurately translated by one of the great Portuguese experts of the Arabian language and culture. This works describes in detail the travels of Ibn Batuta, containing several information about the geography, ethnography, and anthropology of several regions of the world, being many of them still not very known today.

According to the translator, Ibn-Batuta stands out “for the broad and almost incredible scope of his travels and for the persistence of doing them for thirty years; also, for the many and important features he narrates, where he often shows his observing, critical, and sensible spirit.”

Xemece Adim Abu Abdalá Maomé ibn Maomé ibn Ibraim Aluati Atanji (Tânger, 1304 - Fez 1377), after having a good education, departed in 1325 to Mecca and in the following 30 years he covered over 125 thousand kilometres, visiting several regions in India, China, and Central Africa. The geographer Malteburn stated that Ibn Batuta was no tone of those shallow men that due to a futile curiosity choose a wandering life. He was highly educated and earned the recognition of all the peoples he visited and even was entrusted with the function of Cady (Governor) in Dely and in the Maldives.

Fr. José de Santo António Moura (Almodóvar, ca. 1770 – Lisbon, 1840) was a Franciscan of the Congregation of the Third Order, where he worked as General Minister, Teacher, and Interpreter of Arabic. He was also Official of the State Department of Foreigner Affairs and member of the Royal Academy of Sciences of Lisbon. He authored the following works:

- Historia dos Soberanos mohametanos das primeiras quatro dynastias, e de parte da quinta, que reinaram na Mauritania, escripta em arabe por Abu-Mohammed Assaleh, natural de Granada, e traduzida e annotada em portuguez. Publicada por ordem da Academia Real das Sciencias. Lisboa, na Typ. da mesma Academia 1828

- Several studies published in Memórias da Academia das Ciências

- Several extensive additions and notations to the 1830 thirs edition of the work by Fr. João de Sousa Vestigios da Lingua arabica em Portugal.

 

Referência: 1911PG020
Local: M-9-B-48


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
Multibanco PayPal MasterCard Visa American Express

SERVIÇOS

Avaliações e Compra


Organização de Arquivos


Pesquisa Bibliográfica


A SUA ENCOMENDA

Ver

Encomendar


Valor: €0

Temáticas


Índice Geral / All Categories

Livros Raros / Rare Books

free counters