RUGENDAS. (Johann Moritz) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

     
 
   

Clique nas imagens para aumentar.



REVISTA MENSAL - PALESTINA - LA TERRE SAINTE - 1921/1930.

Publication  Mensuelle de la Custodie Franciscaine. Imprimerie des PP. Franciscains. Jerusalem. 1921-1930.

5 volumes. In 4º. De 23,5x16 cm. Com 200, 288, [iv]; 301, 308; 288, 256; 304, 288; 288, 288 págs.

Encadernações da época em percalina verde, com ferros a ouro com o título nas lombadas e nas pastas anteriores, gravado na coifa inferior «Padre Paiva Freixo».

Todos os volumes preservam as capas de brochura anteriores - cromolitografadas com grande beleza - representando frades franciscanos adorando a Cidade Santa, e com as capas de brochura posteriores decoradas com a cruz de Cristo.    

Ilustrados no texto e em extratexto com gravuras sobre papel couché com imagens das populações locais (e dos seus usos e costumes) muito relevantes para o conhecimento da época do Protectorado Britânico da Palestina.

Esta publicação é uma fonte muito importante com grande número de informações sobre arqueologia bíblica, teologia, costumes e monumentos da Terra Santa e de vários países do Mediterrâneo. Regista igualmente informações sobre a Igreja Católica, sobre os papas e as peregrinações aos lugares santos.    

O 1º volume inclui os anos 1 e 2 correspondentes a 1921 e 1922. 

O 2º volume inclui os anos 3 e 4 correspondentes a 1923 e 1924.   

O 3º volume inclui os anos 5 e 6 correspondentes a 1925 e 1926.   

O 4º volume inclui os anos 7 e 8 correspondentes a 1927 e 1928.   

O 5º volume inclui os anos 9 e 10 correspondentes a 1929 e 1930.    

Os Padres Franciscanos, i.e. a Ordem dos Frades Menores, detém a guarda e conservação dos Lugares Santos na Palestina desde que São Francisco fez a sua peregrinação à Terra Santa no século XII, onde se reuniu e dialogou com o Sultão Melek el-Kamel.

Através dos tempos, esta tarefa foi desempenhada pelos frades franciscanos e esta revista, cujos números são muito raros, foi um dos meios de divulgação de todas as questões relativas aos locais santos, atestada de forma histórica e com artigos muito bem enquadrados nas questões da vida quotidiana dos palestinianos: a sua ocupação do território com os seus gados, as sua festas com cavalgadas, os casamentos e outros aspectos etnográficos. As revistas contêm, no final de cada número, um noticiário político e social sobre as ocorrências no protectorado britânico da Palestina.

Enquadramento histórico da Terra Santa na data desta publicação:

O exército inglês tinha tomado Jerusalém em 11 de Dezembro de 1917 naquilo que o seu comandante, o General Sir Edmund Allenby, considerou uma libertação e não uma conquista. Para T.E. Lawrence esse foi o “momento supremo” da Primeira Guerra Mundial.

T.E. Lawrence (da Arábia) tinha sido enviado em 1916 para o Médio Oriente onde apoiou, a pedido de Allenby, a revolta árabe do Príncipe Hussein, que era o Sherife de Meca, e do seu filho Feysal, com o qual tomou o porto de Acaba na Primavera de 1917.

Após as tropas terem entrado em Jerusalém, seguiram para Damasco, a qual conquistaram e entregaram ao governo francês por via de um acordo internacional, atitude que desagradou mais tarde a Lawrence e aos árabes.

Outras complicações foram adicionadas mais tarde ao problema do Médio Oriente, tal como a Declaração Balfour, em 1917, na qual os ingleses prometem uma nação para os judeus na Palestina, grandemente tida como a contrapartida do apoio e da participação dos judeus no exército inglês durante a 1ª Guerra Mundial contra os alemães.Os ingleses legitimaram o seu protectorado obtendo um mandato da Liga das Nações em Junho de 1922.

O Alto Comissario para a Palestina era a mais alta autoridade nos territórios da Palestina e da Transjordânia. Em 1928 foi criada uma autoridade separada para a Jordânia, Alto Comissário para a Transjordânia, posto detido simultaneamente pelo Alto Comissário para a Palestina. Este cargo foi detido, durante o período ao qual reporta esta obra, pelos seguintes Altos Comissários: Sir Herbert Louis Samuel (1-7-1920 até 30-6-1925) um político inglês de origem judaica e promotor do sionismo; Field-Marshal Lord Plumer (25-8-1925 até 31-7-1928); Sir Harry Charles Luke (31-7-1928 até 6-12-1928); e Sir John Chancellor (6-12-1928 até 1-11- 1931). Estas datas coincidem com o período no qual o Protectorado Britânico mantém um controlo restrito das entradas na Palestina.

Referência: 1802PG131
Local: M-15-C-23


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
PayPal MasterCard Visa American Express

SERVIÇOS

Avaliações e Compra


Organização de Arquivos


Pesquisa Bibliográfica


A SUA ENCOMENDA

Ver

Encomendar


Valor: €0

Temáticas


Índice Geral / All Categories

Livros Raros / Rare Books

free counters