RUGENDAS. (Johann Moritz) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

     
 
   

Clique nas imagens para aumentar.



CLENARDO, Nicolau. INSTITUTIONES LINGUAE GRAECAE

N. CLENARDO AVTHORE. Cvm Scholiis et Praxi P. Antesignani Rapistagnensis. Quibus nunc primùm accessit absolutissima Syntaxis: Tabula, Grammaticae compendium ob oculos ponens: & Index vocum Graecarum locupletissimus. Capita totius libri quinta pagina indicabit. EDITIO DECIMA: nunc quàm antea emendatior. [Vinheta tipográfica com o mote: Concordia Insuperabilis]. COLONIAE AGRIPPINAE [Colónia, Köln] Apud Petrum Horst, MDLXXXVIII. [1588].

In 8º [16,5x10 cm] com [16] 575, [30], [3 br.] págs.

Encadernação artística da época inteira de velino sobre pastas (em madeira de casquinha) lavradas com ferros a seco apresentando as imagens dos evangelistas e os seus nomes: João, Lucas, Mateus e Marcos. Lombada com nervos e manuscrito da época, na coifa superior encontra-se o nome do autor e o título abreviado da obra. Preserva os fechos metálicos de origem e o corte das folhas carminado.

Exemplar com dois ex-libris da época manuscritos sobre a folha de rosto: «Liber Sanctorum Galli […] 1591»; e «Assignatus Biblioth. S. Juan. 1620» e selos de arrumação biblioteconómica: «Stiftsbibliothek St. Gallen 17407» colocados no interior da pasta de encadernação e na coifa inferior da lombada.

Breves notas coevas com conceitos gramaticais nas línguas gregas e latina, manuscritas no texto e nas folhas de guarda.

Nicolau Clenardo (Nicolas Cleynaerts) nasceu na Flandres em 1493 e morreu em Granada em 1542. Licencia-se em Teologia na Universidade de Lovaina (1519). Passa por Paris, seguindo depois (1531) para Salamanca, em Espanha, onde se dedica ao ensino particular e público.

Em finais de 1533, André de Resende, a convite de D. João III, trá-lo para Portugal, onde se destaca como professor das letras clássicas. É mestre do infante D. Henrique, arcebispo de Braga, quando este reside ainda na corte em Évora. Quatro anos mais tarde encontra-se a exercer o seu ensino em Braga.

O sonho de aprender árabe e de pacificamente converter os Maometanos ao catolicismo levam-no para Granada e, dois anos depois, para o Norte de África (1540). Regressa a Granada em 1542, onde vem a falecer sem ter concretizado o seu sonho.

As suas cartas, escritas em latim (publicadas em 1566 e 1606) são fundamentais para o conhecimento da sociedade portuguesa do século XVI, não só no campo cultural mas também nos campos económico e social.

 In 8º [16,5x10 cm] com [16] 575, [30], [3 br.] pp.

Binding: contemporary artistic velum on wooden boards with blind tools depicting the images of the evangelists and their names: John, Luke, Matthew and Mark. Raised bands on spine, with handwritten name and abbreviated title of the work on the top of spine. Red edges and original metal clasps.

Copy with two contemporary handwritten ex-libris on title page: «Liber Sanctorum Galli […] 1591» and «Assignatus Biblioth. S. Juan. 1620», together with stamps of a library, «Stiftsbibliothek St. Gallen 17407», inside the binding board and at the bottom of spine.

Contemporary notes with grammar concepts of Greek and Latin, handwritten within the text and on the end-papers.

Nicolau Clenardo (Nicholas Cleynaerts) was born in the Flanders in 1493 and died in Granada, Spain, in 1542. Graduated in Theology at the University of Leuven (1519). Then went to Paris, and later (1531) to Salamanca, Spain, where he was a private and public teacher.

In late 1533, André de Resende, at the invitation of the King John III, called him to Portugal, where he was a professor of classical languages. As professor of the prince he resides in the Court Palace in Évora. Four years later he was called to the city of Braga.

His dream of learning Arabic and peacefully convert to Catholicism the Muslim took him to Granada and two years later to North Africa (1540). He returns to Granada in 1542, where passes away without having achieved his dream.

His letters written in Latin (and published in 1566 and 1606) are essential to the knowledge of society of the 16th century, not only in the cultural but also in the economic and social fields.

 

Ref.: Inocêncio (VI, 269): "NICOLAU CLENARDO (ou CLENARTS, CLEYNARTS, KLEINHARTS, que de todas estas formas aparece escrito o apelido deste celebre gramatico) foi natural de Diest, no Brabante, nascido em 1495. Depois de ensinar por alguns anos em Louvai as línguas gregas, hebraica e latina, em cujo exercício adquiriu grande reputação, veio para Salamanca, e daí para Portugal em 1534, convidado para ser mestre do cardeal infante D. Henrique, irmão d"El-rei D. João III, que por esse tempo tinha a sua corte em Évora. Abriu depois em Braga escola pública da língua latina, e na mesma cidade se imprimiram pela primeira vez em 1538 as suas Institutiones Grammaticæ Latina, sumptibus Gulielmi à Trajecto. 1 vol. 8.º caracter gothico, de que há, ou houve na Bibl. Nac. de Lisboa um exemplar. Em poder do meu falecido colega José Pedro Nunes, vi outro exemplar, mas de edição mais recente, em cujo frontispício se lia: "Institutiones Grammaticæ ex Clenardo. Cum licentia superiorum. Olyssipone, ex Officina Simones Lopesiis 1595", 8.º de 64 folhas numeradas pela frente. - Com os significados dos verbos em português. Achei notável esta edição, por se declarar nas licenças respetivas que se concediam estas com a clausura: «de que se imprima outra vez, mas da maneira que se imprimiu a primeira vez, sem cotas, nem prefações». Assignado: Fr. Manuel Coelho. Esta Grammatica de Clenardo parece fora por ele composta expressamente para uso dos estudos de Braga. É mais que duvidoso se ele ensinou também na Universidade de Coimbra, como alguns pretendem. O facto é, que a sua permanência em Portugal foi de curta duração, pois nos primeiros meses de 1540 passou a Africa, ao que se julga com intento de se aperfeiçoar na língua árabe, vindo passado pouco tempo para Espanha, e morreu a final em Granada no ano de 1542, aos 47 de idade. Antes e depois de estar em Portugal teve correspondência e trato com os portugueses mais distintos do seu tempo, do que dão testemunho as suas Cartas Latinas, não menos raras que curiosas, cuja melhor edição se diz ser de 1606, in 8.º, e é curiosíssima pelas noticias que dá das nossas cousas, e da vida intima da sociedade portuguesa naquele tempo".

 

Referência: 1612JC006
Local: M-11-C-19


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
Multibanco PayPal MasterCard Visa American Express

SERVIÇOS

Avaliações e Compra


Organização de Arquivos


Pesquisa Bibliográfica


A SUA ENCOMENDA

Ver

Encomendar


Valor: €0

Temáticas


Índice Geral / All Categories

Livros Raros / Rare Books

free counters