RUGENDAS. (Johann Moritz) HABITANTE DE GOYAS. Quadro a óleo pintado sobre madeira.

     
English   
 
   

Clique nas imagens para aumentar.



CARVALHO E MENEZES. (J. A. de) DEMONSTRAÇÃO GEOGRAPHICA E POLITICA DO TERRITORIO PORTUGUEZ NA GUINÉ INFERIOR,

QUE ABRANGE O REINO DE ANGOLA, BENGUELLA, E SUAS DEPENDENCIAS, causas da sua decadencia e atrasamento, suas conhecidas producções e seus meios que se podem applicar para o seu melhoramento e utilidade geral da nação. Escrita em Lisboa em 1846. Por… por elle augmentada em 1847 e publicada no Rio de Janeiro em 1848. Typ. Classica de F. A. de Almeida. 1848.

De 22x14 cm. Com 206-(i) págs.

Encadernação do século XX com cantos e lombada em pele com nervos e rótulo vermelho adornados com ferros a ouro.

Exemplar com falta de uma folha de anterrosto com título gravado. Quatro primeiras páginas com reforço em papel Japão na zona do festo.

Estudo geopolítico de Angola por Joaquim António de Carvalho e Menezes. O autor era um súbdito português, natural de Luanda, Angola, de "herança mista", que tinha levantado preocupações na Câmara dos Deputados de Portugal, sobre a situação do povo de Angola sob o domínio colonial. A sua intenção com a publicação parece ir nesse sentido, como afirma na Observação: "Desejo sinceramente o bem da nação a que pertenço, emito as minhas opiniões, ou as minhas ideias como as tenho concebidas e apresento os factos como eles são, uns por mim observados, alguns recolhidos de fragmentos históricos, e outros transmitidos pela voz pública".

Joaquim António de Carvalho e Meneses, filho de uma proeminente família de Luanda, foi educado em Lisboa, tendo tido contacto com as tendências intelectuais que varreram a metrópole durante a década de 1820, especialmente no que diz respeito ao debate sobre a decadência nacional.

Claramente influenciado por Almeida Garrett, que estigmatizou a venalidade e a inexperiência dos políticos, a profanação da corte e a pretensão dos aristocratas do país, Carvalho e Meneses compartilhou com Arsénio de Carpo o mesmo idealismo liberal, os mesmos poderosos arqui-inimigos e uma vida atormentada no exílio e tornou-se um dos porta-vozes mais importantes das visões políticas radicais da comunidade crioula em Angola, apontando, por sua vez, para o suborno e corrupção desenfreados, a inaptidão e arrogância dos governadores, funcionários públicos mal escolhidos, o patrocínio escandaloso e as intrigas políticas como as principais causas da estagnação pós-abolição.

Depois de retornar a Angola em 1823 para retomar o cargo de copista público e contador (que ele já havia ocupado em Moçambique), foi demitido e expulso pelo Governador-Geral Nicolau Abreu Castelo Branco em 1829 por causa de sua oposição à vitória transitória de Dom Miguel.

Carvalho e Meneses introduziu num estilo conciso e direto, sem retórica desnecessária - e com mais de meio século de antecedência - todos os temas, soluções propostas e reivindicações que mais tarde caracterizariam a luta dos intelectuais angolenses na viragem do século XIX para o século XX.

 Dim.: 22x14 cm with 206-(i) pp.

Binding: 20th century half bound with raised bands, red label and gilt tools on spine.

Copy missing the half title with engraved title. The four first pages are enhanced with Japan paper by the hinges.

Geopolitical study of Angola by Joaquim António de Carvalho e Menezes. The author was a Portuguese citizen, born in Luanda, Angola, of "mixed heritage", who had raised concerns in the Portuguese Chamber of Deputies about the situation of the people of Angola under colonial rule. His intent with this publication seems to go in that direction, as stated in the Observation: "I sincerely desire the good of the nation to which I belong, I issue my opinions, or my ideas as I have conceived them, and I present the facts as they are, some observed by me, some collected from historical fragments, and others transmitted by the public voice.

Joaquim António de Carvalho e Meneses, son of a prominent Luanda family, was educated in Lisbon, having had contact with the intellectual trends that swept the metropolis during the 1820s, especially in what concerned the debate on national decadence.

Clearly influenced by Almeida Garrett, who stigmatized the venality and inexperience of politicians, the desecration of the court, and the pretension of the aristocrats of the country, Carvalho e Meneses shared with Arsénio de Carpo the same liberal idealism, the same powerful arch-enemies and a tormented life in exile, and became one of the most important spokesmen for the radical political views of the Creole community in Angola, pointing in turn to unbridled bribery and corruption, the inaptitude and arrogance of governors, poorly chosen civil servants, scandalous patronage, and political intrigues as the main causes of post-abolition stagnation.

After returning to Angola in 1823 to resume his position as public copyist and accountant (which he had already held in Mozambique), he was fired and expelled by Governor General Nicolau Abreu Castelo Branco in 1829 because of his opposition to D. Miguel's transitional victory.

Carvalho and Meneses introduced in a concise and direct style, without unnecessary rhetoric - and more than half a century in advance - all the themes, proposed solutions and demands that would later characterise the struggle of Angolan intellectuals at the turn of the 19th to the 20th century.

Inocêncio (XVII, 350) in Bibliografia de Monografias Portuguesas.

Jacopo Corrado, The Rise of a New Consciousness: Early Euro-African Voices of Dissent in Colonial Angola, 2007, ISSN 1645-6432 e-JPH, Vol.5, number 2.

Referência: 1203JC119
Local: PCS1


Caixa de sugestões
A sua opinião é importante para nós.
Se encontrou um preço incorrecto, um erro ou um problema técnico nesta página, por favor avise-nos.
Caixa de sugestões
 
Multibanco PayPal MasterCard Visa American Express

Serviços

AVALIAÇÕES E COMPRA

ORGANIZAÇÃO DE ARQUIVOS

PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

free counters